TIPOS DE PARTO

Parto Normal

  • O mais indicado e com maior grau de benefícios, tanto para a mamãe quanto para o bebê.
  • A gestante é colocada em posição ginecológica, ou seja, deitada, com as pernas e suspensas lateralmente. Em grande parte dos casos, administra-se a anestesia peridural, que ameniza a dor, sem diminuir a sensação das contrações ou do trabalho de parto. Às vezes, faz-se necessário um pequeno corte na entrada da vagina, para facilitar a passagem do bebê e conservação da pele e músculos da mulher.


Cesariana

  • Depois do parto normal, a cesariana é a técnica mais usada em parto. Normalmente é marcada com antecedência e utilizada caso haja algum tipo de problema com a gestante ou com bebê.
  • Para sua realização, aplica-se a anestesia, geralmente a peridural obstétrica, entre duas vertebras lombares, em uma região da coluna denominada peridural. O adormecimento ocorre por cerca de 7 a 10 minutos após a sua aplicação podendo durar por até 2 horas.
  • O médico da inicio ao seu trabalho cortado por volta de 10cm da pele próxima ao púbis e até sete camadas de tecido até chegar ao útero materno.


Parto Induzido

  • Algumas vezes a gestação chega ao sinal e a mulher não manifesta nenhum sintoma de trabalho de parto. O médico nesses casos, examina a gestante e o bebê, verificando as possibilidades de induzi (provocar) o parto. O colo uterino pode ser previamente preparado com uma enzima que facilita a indução e o parto.
  • Na gestante, a análise é feita através do exame de toque vaginal e no bebê, uma verificação do batimento cardíaco, por meio de sonar, estetoscópio, ou da cardiotocografia.
  • Em condições favoráveis, a indução é realizada por meio de injeção de um hormônio (ocitocina) na via da mulher, diluído em solução fisiológica, com gotejamento constante. Como consequência, o organismo da gestante pode reagir, e entrar em trabalho de parto, sendo possível a realização do parto normal. Esse mesmo processo de indução, é utilizado quando o trabalho de parto é espontâneo, mas sofre alterações das contrações. Neste caso, recebe o nome de aceleração do parto.


Dicas

  • Fique alerta a estes sinais:
    Sangramento – Independentemente das caracteristicas ou da quantidade, avise seu médico.
    Febre – Pode ser causada por uma doença infecciosa perigosa para o feto. Entre em contato com seu médico o mais rápido possível.
    Dores no Ventre Ardência ao Urinar – uma infecção urinaria que não é diagnostificada e fica sem tratamento pode levar a um aborto no inicio da gestação. Mas para a frente, o risco é de um perto prematuro.
  • Quando estiver na sala de parto siga as orientações do obstetra concentre-se em sua respiração e boa sorte para você e seu bebê!
  • Para a criança, a voz de sua mãe é a melhor musica que ha. Elas aprendem melodias quando alternamos tons e timbres em nossa maneira usual de falar.
  • Procure deixar a casa à prova de crianças evitando assim surpresas desagradaveis.
  • Por mais envolvida que você com seu bebêe com toda a novidade da situação, não deixe de se cuidar: pele, unhas, cabelo. É importante que você se sinta bem consigomesma e tenha uma boa apar~encia. É muito fácil para a mãe quando tem um novo filho, esquecer-se que ela própria precisa de cuidados.
  • Sob o efeito da depressão, as mulheres podem expressar-se em lágrimas ou agressividade. Seus parceiros no entanto, tem dificuldade em reconhecer a hostilidade como sintoma depressivo e reagem na mesma moeda, piorando a situação.
  • É importante não se cobrar demais e procurar descansar ao máximo já que, uma vez em casa, a rotina será com toda certeza puxada.
  • Providencie com antecedência uma lista com os nomes e telefones das pessoas que devem ser avisadas quando o bebê nascer. Deixe-a com seu marido ou com um parente que ficará encarregado de dar os telefonemas.
  • Os especialistas dizem que as mães devem retornar ao trabalho só depois de três meses.
  • Fragilidade da Moleira: Mito ou realidade; nossas avós e até mesmo mães, sempre nos ensinaram que com a moleira do recém-nascido devemos tomar muito cuidado, dada a sua fragilidade. Entretanto, o fato não é bem este, pois esta região pode ser tocada acariciada e lavada normalmente. O fato é que a compressão não é aconselhada, pois a camada do couro cabeludo é a ínuca proteção do cérebro do bebê, já que somente no décimo oitavo mês os ossos da cabeça se fecham, fazendo com que a moleira desapareça.
  • Uma dica das nossas avós que continua valendo é que através da moleira, podemos detectar desidratação ou meningite. Quando há desidratação, a moleira fica afundada e quando há meningite, fica abaulada. Fique atenta!.
Fechar Menu